Fale conosco pelo WhatsApp

O que é diabetes tipo 2?

Imagem ilustrativa.
08/07/2022

Entenda mais sobre essa doença, quais são suas causas e como ela se diferencia do diabetes tipo 1

Em decorrência do sedentarismo e maior consumo de alimentos industrializados muito palatáveis e altamente calóricos, observamos um aumento expressivo na prevalência de doenças crônicas como a obesidade e o diabetes (principalmente o diabetes tipo 2).

O diabetes é, hoje, uma das principais doenças que afetam a população, já que, só no Brasil, quase 16 milhões de pessoas têm o diagnóstico dessa doença, com estimativa que esse número suba para 23 milhões em 2045, conforme dados da International Diabetes Federation de 2021. A diabetes tipo 2 é o que mais acomete a população.

O diabetes é uma doença crônica que acontece quando há produção insuficiente ou resistência à ação da insulina, hormônio que regula a glicose e garante a energia para o corpo.

O diabetes pode ser classificado em subtipos, a depender da causa da doença: tipo 1, tipo 2, diabetes gestacional e outros tipos (diabetes tipo MODY, diabetes associado a outras doenças endócrinas, como síndrome de Cushing e acromegalia, diabetes associado à pancreatite, diabetes secundário a uso de medicamentos, entre outros). Acompanhe, a seguir, mais detalhes sobre a doença de diabetes tipo 2.

O que é diabetes tipo 2 e como se desenvolve?

O diabetes tipo 2 é uma doença crônica que está frequentemente associada à obesidade e ao envelhecimento. Ocorre, inicialmente, como resultado da resistência à ação da insulina. Porém, com o passar do tempo, o pâncreas também acaba produzindo uma quantidade menor desse hormônio.

Uma dúvida frequente é a diferença entre o diabetes tipo 2 e o tipo 1. O que diferencia essas duas doenças é a causa, já que o diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, na qual ocorre produção de anticorpos que destroem as células do pâncreas que produzem insulina. Assim, o diabético tipo 1 não tem mais insulina sendo produzida pelo corpo, enquanto no tipo 2 ocorre o processo de resistência à ação da insulina, conforme foi descrito acima.

Sintomas do diabetes tipo 2

O início dos sintomas no diabetes tipo 2, geralmente, é gradual. Em fases iniciais da doença, quando os níveis de glicemia não estão muito altos, os pacientes normalmente não apresentam sintomas. Com a progressão da doença e sem tratamento adequado, o paciente pode apresentar os seguintes sinais e sintomas:

  • Sede excessiva;
  • Vontade frequente de urinar;
  • Aumento da fome;
  • Perda de peso;
  • Cansaço e fraqueza;
  • Alterações visuais;
  • Desidratação;
  • Sonolência;
  • Aumento de infecções, principalmente fúngicas;
  • Dificuldade para cicatrização;
  • Formigamento nos pés.

Por se tratar de uma doença crônica, pacientes com diabetes tipo 2 de longa data e sem controle adequado de glicemia podem se deparar com problemas na visão, doenças renais, neuropatia e doenças cardiovasculares.

O que causa diabetes tipo 2?

O que causa diabetes tipo 2 é um processo de resistência à ação da insulina, associado a uma produção deficiente desse hormônio pelo pâncreas com a progressão da doença, o que faz com que a glicose acabe se acumulando no sangue.

O acúmulo de gordura na região abdominal está mais associado ao desenvolvimento de resistência à insulina. Maus hábitos alimentares, especialmente com consumo exagerado de carboidratos e gorduras ruins, assim como a falta de atividade física, contribuem para o ganho de peso, que é um dos principais fatores de risco para essa doença. O diabetes tipo 2 também está diretamente relacionado a outros problemas de saúde, como triglicerídeos elevado, hipertensão e doenças cardiovasculares.

Ao contrário do que ocorre no diabetes tipo 1, no tipo 2 a história familiar de diabetes em parentes de primeiro grau (pais, irmãos) é um fator de risco importante para o desenvolvimento da doença. Assim, casos repetidos de diabetes tipo 2 em uma mesma família são muito comuns.

Diagnóstico e identificação do portador de diabetes tipo 2

Os exames utilizados para diagnóstico de diabetes são: glicemia de jejum, hemoglobina glicada (HBA1C) e teste oral de tolerância à glicose com 75g (curva glicêmica).

Os critérios para diagnóstico de diabetes em pacientes sem sintomas são:

  • Glicemia de jejum ≥ 126mg/dl
  • HBA1C ≥ 6,5%
  • Glicemia 2 horas após sobrecarga de 75g de glicose ≥ 200mg/dl

Observação: É necessário que dois exames estejam alterados. Se somente um exame estiver alterado, este deverá ser repetido para confirmação.

Nos pacientes com sintomas sugestivos de diabetes, uma glicemia ao acaso ≥ 200mg/dl confirma o diagnóstico.

Como tratar diabetes tipo 2?

As estratégias de tratamento devem ser planejadas de forma individualizada e podem, inclusive, melhorar a qualidade de vida do paciente com diabetes tipo 2. Os pilares do tratamento do diabetes tipo 2 são: medicamentos orais e injetáveis, prática de exercícios físicos regulares e planejamento alimentar.

Medicamentos

A escolha das medicações, sejam orais ou injetáveis, é feita de acordo com a idade do paciente, a necessidade ou não de perder peso e a existência de doenças cardiovasculares ou problemas renais associados ao diabetes.

Com o decorrer do tempo e a evolução dessa condição, pode ser necessário o uso de insulina associada às demais medicações.

Como hipertensão arterial e aumento de colesterol são problemas de saúde comumente associados ao diabetes tipo 2, os pacientes também precisam estar atentos ao tratamento dessas condições.

Exercícios físicos

Uma das principais ferramentas de tratamento do diabetes tipo 2 é a atividade física. Ela auxilia no processo de perda de peso e manutenção do peso perdido e permite controlar os níveis de açúcar no sangue sem a necessidade de associar tantas medicações. Além disso, contribui na melhora da qualidade do sono, na redução de estresse e ansiedade e na melhora da qualidade de vida como um todo.

Alimentação saudável

Reduzir o consumo de açúcar e carboidratos simples é fundamental para controlar a glicemia e auxiliar na perda de peso. Prefira carboidratos complexos, com índice glicêmico baixo, que impedem que a glicose seja absorvida rapidamente. Tenha um profissional habilitado auxiliando na mudança dos hábitos alimentares.

Mudança de hábitos de vida

O cigarro deve ser eliminado da vida do paciente e bebidas alcoólicas devem ser consumidas com moderação. Reduzir os períodos sentado e prestar atenção à quantidade e qualidade do sono são fundamentais para melhorar a qualidade de vida e controlar a glicemia.

Cirurgia metabólica

A cirurgia metabólica pode ser indicada para aqueles pacientes com diabetes tipo 2 e com excesso de peso que não alcançam um controle glicêmico adequado com o tratamento clínico convencional.

Enquanto a cirurgia bariátrica tem, como objetivo principal, a redução do peso, a cirurgia metabólica tem, como meta, o tratamento do diabetes tipo 2 e de outras doenças associadas à obesidade, como a pressão alta, a esteatose hepática, entre outras.

É fundamental contar com a orientação médica para entender o diabetes tipo 2 e controlar outras doenças associadas, como obesidade e hipertensão.

Saiba mais sobre esse e demais tratamentos realizados pela Dra. Milena Miguita – https://milenamiguita.com.br/

Fontes:

Biblioteca Virtual em Saúde;

International Diabetes Federation Atlas 10th edition;

Sociedade Brasileira de Diabetes.